Histórico de
AYMORÉ PRODUTOS ALIMENTÍCIOS S/A



A história do grupo Aymoré remonta a 1958, quando os irmãos Severino Ballesteros Rodrigues, Santiago e Visitacion Ballesteros, imigrantes espanhóis da Galícia, que haviam chegado ao Brasil na década de 1920, inauguraram uma fábrica de biscoitos na Cidade Industrial de Contagem, com a razão social de Produtos Alimentícios Cardoso S.A.

Consolidando a sua primeira unidade industrial, aqueles empreendedores lançaram-se à expansão dos seus negócios. Acreditando que a aquisição de outras empresas do setor seria um caminho rápido e seguro para essa finalidade, ampliaram suas atividades numa seqüência de boas transações, de algumas mais tradicionais e bem sucedidas indústrias do ramo.

Já em 1968 adquiriram todo o maquinário, as marcas e as patentes de Rodolpho Grissi & Cia. Ltda.Fábrica de Balas SUISSA - fundada em Belo Horizonte em 1915.

No ano seguinte foram compradas as máquinas para fabricação de balas e caramelos pertencentes à Produtos Alimentícios Morro Velho S. A., em Nova Lima, de propriedade da Mineração Morro Velho, que desejava sair de um ramo que não era de sua especialidade. Essas transações permitiram o crescimento da produção de balas e marcaram o início da participação da empresa no setor de caramelos.

Em 1975, novamente a empresa iria adquirir outra das mais tradicionais empresas industriais de alimentos de Belo Horizonte - a Massas Aymoré - que pertencera ao antigo Moinho Inglez. O Moinho Inglez possuiu uma filial em Belo Horizonte, à Rua Curitiba, 4 34/444, desde 1927, onde funcionava um depósito e distribuidora de seus produtos. Em 1930 foi inaugurada uma fábrica da Massas Aymoré, na região central, próxima ao local onde se construiria a Praça Raul Soares.
A aquisição da Massas Aymoré pela Produtos Alimentícios Cardoso S.A incluía equipamentos, marca e patentes, constituindo-se num autêntico renascimento da famosa marca do índio. A partir de então Produtos Alimentícios Cardoso passou a comercializar seus produtos pela tradicional marca Aymoré. Essa transação modificou radicalmente a história da empresa, remetendo-a ao patamar das grandes indústrias alimentícias do país.

A trajetória vitoriosa da Aymoré inclui a compra e/ou incorporação das seguintes empresas:

  • 1978, a J. A. Cardoso, fabricante dos biscoitos da marca "Confiança";
  • 1983: terrenos e galpões da J.A .F. Duarte e Viaturas Fruenhauf Ltda., em Contagem, para a ampliação das instalações da Aymoré;
  • 1984: Fábrica de Biscoitos Colombo Ltda, detentora da marca "Tortorella", a Nacional Empreendimentos e Participações S. A. e a Indústria Brasileira de Chocolates e Caramelos S. A., em Montes Claros;
  • 1986: aquisição de terrenos em Montes Claros e transferência dos maquinários da Brasmel e Colombo; aquisição da DUCHEN, cujos equipamentos foram instalados em Contagem e em Montes Claros.
  • 1991: compra do Café Pérola, em Contagem, com o lançamento em 1996 do Café Aymoré;
  • 1992: adquiriu a empresa Produtos Alimentícios Abaeté Ltda, de Guarulhos/SP, tradicional fabricante de biscoitos paulista, cujo patrimônio total foi incorporado à Aymoré.

Como resultado desse incansável trabalho, a Aymoré conta hoje com cerca de quatro mil funcionários, distribuídos em 6 fábricas: 4 em Contagem/MG, 1 em Montes Claros e 1 em Guarulhos/SP. A penetração da empresa no mercado brasileiro é garantida por uma equipe de 900 vendedores e 30 distribuidores. As entregas são efetuadas por uma frota própria de mais de 200 caminhões.

Em março de 1996, a Aymoré se associou à multinacional DANONE (que adquiriu 25% do controle acionário), entendendo que a globalização em curso no mercado exige força cooperativa e a DANONE (maior fabricante de biscoitos do mundo) trará subsídios e know-how, altamente convenientes para que a Aymoré se aprimore ainda mais industrialmente e desenvolva processos e produtos cada vez melhores.

RETORNO